Educação integral: A escola da vida

O que fazer quando se nasceu lá, mas os pais são de cá, e são obrigados a voltar para a pátria-mãe, porque a colônia em guerra os expulsou? Neste romance contado pelo olhar de um adolescente nascido em Angola, mas de pais portugueses, os sentimentos estão todos à flor da pele. Ele, a mãe e a irmã são colocados às pressas em um avião para voltar a Portugal, e depois são enviados para um hotel, custeado pelo governo, para as famílias dos que tiveram que voltar sem querer para a metrópole.

Enquanto vão aprendendo a viver num país que eles não conheciam, mas idealizaram, principalmente através da memória dos pais (diga-se, ultrapassada e distante no tempo), Rui e seus familiares retornados passam a conviver com todos os problemas de todas as outras famílias alocadas no mesmo hotel. É um período de comida escassa, de regras absurdas, de desemprego e de atmosfera política conturbada, que está o tempo todo opondo revolucionários e conservadores.

✔ Conheça também os ecos da docência.

O grande conflito da história gira em torno do retorno (ou não) do pai do Rui, o narrador. Ele foi levado preso pela população local de Angola, que tinha tomado o poder e as rédeas do processo de independência daquele país. Nesse dia, a família embarcou para Lisboa e passa desde então a esperar que ele chegue.

Há no livro uma enormidade de personagens pitorescos, que vão fazendo parte das memórias do adolescente Rui, como o Pacaça, a Silvana, o porteiro Queine, o tio Zé, enquanto sua crença no retorno do pai vai esmorecendo dia a dia. Mas há também a discussão política, a questão do preconceito racial e sexual, a história das independências das colônias de Portugal como pano de fundo. Tudo é de uma riqueza contundente, mas sem ser pesado.

O leitor também passa a torcer avidamente para que o pai volte. E que a alegria possa vislumbrar uma saída para o futuro. É emocionante a mudança para a casa nova e a leitura das cicatrizes do corpo do pai!

✔ Saiba também quais as formas de ensinar matemática para crianças.

Ainda merece destaque a edição em capa dura da editora Tinta da China Brasil, com papel pólen, letras em tamanho maiores que o habitual, fita marcadora de página e capa interna desenhada. Um luxo!

A autora, portuguesa, recebeu com esse livro o prêmio de livro do ano em Portugal, Prêmio Especial da Crítica 2011. Também já está publicado no Brasil seu excelente Os meus sentimentos. Vale conferir!

Leave a Reply